21 de ago de 2011

A Menina que Roubava Livros - Markus Zusak

Hoje, vou resenhar sobre o livro de Marcus Zusak : A Menina que Roubava Livros.Tem muita coisa para falar do livro.Então, vamos logo começar.


Sinopse - 
Entre 1939 e 1943, Liesel Meminger encontrou a Morte três vezes. E saiu suficientemente viva das três ocasiões para que a própria, de tão impressionada, decidisse nos contar sua história, em "A Menina que Roubava Livros", livro há mais de um ano na lista dos mais vendidos do "The New York Times".

Desde o início da vida de Liesel na rua Himmel, numa área pobre de Molching, cidade desenxabida próxima a Munique, ela precisou achar formas de se convencer do sentido da sua existência. Horas depois de ver seu irmão morrer no colo da mãe, a menina foi largada para sempre aos cuidados de Hans e Rosa Hubermann, um pintor desempregado e uma dona de casa rabugenta. Ao entrar na nova casa, trazia escondido na mala um livro, "O Manual do Coveiro". Num momento de distração, o rapaz que enterrara seu irmão o deixara cair na neve. Foi o primeiro de vários livros que Liesel roubaria ao longo dos quatro anos seguintes.

E foram estes livros que nortearam a vida de Liesel naquele tempo, quando a Alemanha era transformada diariamente pela guerra, dando trabalho dobrado à Morte. O gosto de rouba-los deu à menina uma alcunha e uma ocupação; a sede de conhecimento deu-lhe um propósito. E as palavras que Liesel encontrou em suas páginas e destacou delas seriam mais tarde aplicadas ao contexto a sua própria vida, sempre com a assistência de Hans, acordeonista amador e amável, e Max Vanderburg, o judeu do porão, o amigo quase invisível de quem ela prometera jamais falar.

Há outros personagens fundamentais na história de Liesel, como Rudy Steiner, seu melhor amigo e o namorado que ela nunca teve, ou a mulher do prefeito, sua melhor amiga que ela demorou a perceber como tal. Mas só quem está ao seu lado sempre e testemunha a dor e a poesia da época em que Liesel Meminger teve sua vida salva diariamente pelas palavras, é a nossa narradora. Um dia todos irão conhece-la. Mas ter a sua história contada por ela é para poucos. Tem que valer a pena.


Resenha-Achei o livro apaixonante.Talvez possa ser algo de preferência literária,pois conheço pessoas que abandonaram o livro e definitivamente não gostaram. ( Minha irmã é uma dessas pessoas)rsrs.
O livro é narrado pela Morte.Sim, a morte.Eu achei simplesmente fantástico.No começo eu confesso que achei um pouco confuso e muitas vezes chato,mas foi só uma questão de tempo para a minha adaptação com a escrita de Zusak que é muito envolvente.E que bom que não abandonei,pois foi uma experiência incrível.
O engraçado do livro é que coisas que eu simplesmente detesto aconteceram  e eu nem me importei.Um exemplo disso  é que A Morte(a narradora) antecipa várias situações que serão importantes no decorrer da estória,mas que não me tirou de forma alguma a vontade de continuar virando as páginas do livro.
O livro me emocionou muito,mas também me fez soltar algumas tímidas risadas.A personagem principal é a Liesel, uma fofa e que encontrou a morte algumas vezes e saiu ilesa.Para contar a estória de Liesel vários personagens aparecem na trama,mas que não são nem um pouco coadjuvantes.Como Rudy seu companheiro de aventuras que me encantou com seu jeito e sonho(esse personagem foi motivo de várias lágrimas).E a própria morte que parece ter sentimentos e até coração, acredita??!!
Muitas pessoas, por saberem que o livro se passa na Alemanha Nazista esperam muita ação,torturas,mortes e etc,mas o foco não é a guerra em si.E sim a luta pela sobrevivência de uma menina.Acho que um dos sentimentos que tive durante a leitura, foi que mesmo com todas as dificuldades vale a pena sim viver.
O lado negativo é que o livro é muito detalhista o que tornou  a narrativa um tanto quanto parada.
Enfim, super recomendo o livro. Para finalizar minha frase favorita do livro:

“A única coisa pior do que um menino que detesta a gente.
Um menino que ama a gente.

Abraços.

19 de ago de 2011

A Hora do Amor - Álvaro Cardoso Gomes

Olá, pessoal!!Algumas pessoas não sabem, mas eu faço faculdade Letras/Português - Literatura( QUE ESTOU AMANDO) e estou tento aulas sobre : Literatura Infanto - Juvenil. Então, resolvi compartilhar com vocês o livro que me despertou a vontade de viajar no mundo dos livros.Não foi minha primeira leitura,pois na escola tinha quer ler vários.Porém,esse eu li sem obrigação e li,reli,treli...e até chorei, acredita???rsrsrs.Vamos lá??






Sinopse -Como os meninos reagem quando seu grande amor se envolve com outro? Assim que Beto viu Lúcia Helena, sentada no muro, loiríssima e linda, se apaixonou. Não bastassem os problemas com a família, com a escola, Mário Antônio entra na parada e ganha o amor de Lúcia. Beto resolve deixar a cidade, e durante a viagem uma surpresa! É chegada a hora do amor!






Apesar de um tema comum: O amor! !Álvaro soube muito bem desenvolver a estória e os personagens,fazendo com que os leitores se identificassem com os personagens.Afinal, quem nunca teve um amor que  achávamos impossível , heim???  Quando li , acho que tinha 12 ou 13 anos e o livro me marcou muito.Agora bem mais velha reli...e hoje com minha opinião crítica sendo desenvolvida e com o conhecimento maior ,percebo que os diálogos muitas vezes são fracos e previsíveis.Mas de nenhuma forma tiram a beleza inexplicável do livro.
O autor escreve de uma forma muito simples e gostosa de ler.
Sobre o personagem Bentinho...me identifiquei com ele,não por suas mentiras( que são muitas), mas pelos acontecimentos em sua vida e acho que suas mentiras só pioravam as coisas.Do mais ele é  romântico e muito SONHADOR.

No livro tem muitas cenas que realmente me emocionaram ,mesmo após de alguns anos da primeira leitura.Por isso mesmo indico o livro à todos.Não só jovens.
Preciso também desabafar um pouco,pois muitas pessoas acham a literatura infantil inferior as outras.E isso me deixa MUITO irritada. Acredito sim que a literatura infantil também ofereça um tipo de prazer intelectual.Sem falar que são importantes para  a educação das nossas crianças.
Para fechar o assunto, mais uma frase da maravilhosa Clarice Lispector :

"Nada posso fazer: parece que há em mim um lado infantil que não cresce jamais".








3 de ago de 2011

Wake - Despertar


Olá,pessoal!!Hoje vou falar sobre o livro : WAKE o primeiro livro da trilogia de Lisa Mcmann!!

 
Sinopse: Para Janie, uma garota de 17 anos, ser sugada para dentro dos sonhos de outras pessoas está se tornando normal. Janie não pode contar a ninguém sobre o que acontece com ela - eles nunca acreditariam, ou pior, achariam que é uma aberração. Então, ela vive no limite, amaldiçoada com uma habilidade que não quer e não pode controlar. Mas, de repente, Janie acaba presa dentro de um pesadelo horrível, que lhe causa um imenso terror. Pela primeira vez, ela deixa de ser expectadora e se torna uma participante... "Um romance lírico, cujas imagens permanecem com você, muito tempo depois de virada a última página, como o mais memorável dos sonhos." Cassandra Clare.


Bem, primeiro gostaria de falar sobre a capa,que achei bem intrigante e que me fez pegar o livro na prateleira da livraria.Então,eis que me deparo com a frase: “SEUS SONHOS NÃO LHE PERTENCEM...”no momento até sorri pensando: “ com certeza é de terror” só então,depois de folhear o livro, percebi que se tratava de uma garota com um “dom” de entrar nos sonhos alheios.A sinopse me levou à expectativas enormes  e fiquei MUITO curiosa para ler.Afinal, nunca tinha lido algo sobre o tema.
O livro  tem uma narrativa rápida .Isso porque a escrita da autora e bem objetiva.Os personagens não foram bem aproveitados,deixando-os um pouco vazios.O que me chamou atenção foi a escrita em 3° pessoa e a forma como foi escrita, uma espécie de diário,mas com muitas datas,horas...(algo que achei completamente desnecessário).Senti falta de descrições nas cenas e de uma certa  sequência para tal.Muitas vezes os fatos foram apenas jogados e não construídos.
Fiquei um pouco decepcionada com o livro,pois queria que a autora explorasse esse “dom “ de Janei e nos enchesse de detalhes  sobre esse tema maravilhoso.Mas isso não aconteceu.O lado positivo é que a autora envolve dentro da trama outras situações como: drogas,álcool  e em algumas cenas existe um sugestivo homossexualismo.Temas nada juvenis.
O livro não é ruim,mas não passa de um regular.De qualquer forma, vou ler os outros livros da trilogia que espero ser bem mais emocionante e irei resenhar depois para vocês.

Abraços.

1 de ago de 2011

O Caçador De Pipas - Khaled Hosseini

Olá,pessoal!!Hoje vou resenhar sobre o primeiro livro de  Khaled Hosseini : O Caçador De Pipas.O livro  que vendeu mais de 8 milhões de cópias em todo o mundo e também aclamado pela crítica.Vamos lá??!!!




Sinopse - 

O caçador de pipas é considerado um dos maiores sucessos da literatura mundial dos últimos tempos. Este romance conta a história da amizade de Amir e Hassan, dois meninos quase da mesma idade, que vivem vidas muito diferentes no Afeganistão da década de 1970. Amir é rico e bem-nascido, um pouco covarde, e sempre em busca da aprovação de seu próprio pai. Hassan, que não sabe ler nem escrever, é conhecido por coragem e bondade. Os dois, no entanto, são loucos por histórias antigas de grandes guerreiros, filmes de caubói americanos e pipas. E é justamente durante um campeonato de pipas, no inverno de 1975, que Hassan dá a Amir a chance de ser um grande homem, mas ele não enxerga sua redenção. Após desperdiçar a última chance, Amir vai para os Estados Unidos, fugindo da invasão soviética ao Afeganistão, mas vinte anos depois Hassan e a pipa azul o fazem voltar à sua terra natal para acertar contas com o passado.


Esse é o segundo livro do autor que leio. O  1° foi  A Cidade do Sol  que está na minha lista de favoritos e que irei resenhar mais adiante.Então, eu já conhecia a escrita do autor e confesso que fiquei com o pé atrás  antes de ler,pois achava que iria me decepcionar.Após ler o livro, faço mais que uma obrigação em rasgar elogios para Khaled Hosseini.
O livro mexe com as emoções do leitor.Fazendo com  que você devore cada capítulo.O autor escreve de uma forma simples,mas que atingiu bem em cheio meus sentimentos.Durante a leitura conseguia visualizar perfeitamente as cenas.Isso devido a riqueza de detalhes exposta pelo autor.Tudo isso sem se tornar uma leitura lenta ou cansativa.
Amir,passei a maior parte do livro com muita raiva desse personagem.Enquanto garoto era inteligente,com criatividade e uma certa aptidão para a leitura(coisas que admiro e até me identifico)mas, por outro lado, era covarde e invejoso.Porém, no desenrolar da estória, consegui diminuir minha raiva e até fiquei surpresa por suas atitudes já adulto.
Hassan, de alma pura ,de uma simplicidade e coragem que não tem tamanho.Como se ainda não bastasse... ele é leal.Sim,leal.Ah, como queria um amigo como o Hassan!!!Por falar em amizade o livro dá uma aula do verdadeiro sentido da palavra AMIZADE.Este livro te faz reavaliar seus valores profundamente e também proporciona uma descoberta do povo Afegão, dos hábitos, dos costumes, da religião e tradições.O resumo do livro pode ser feito por intermédio de uma frase:




" POR VOCÊ ,FARIA ISSO MIL VEZES!" 


Bjs e até a próxima  *_*

31 de jul de 2011

Querido John

Olá, pessoal!!Meu nome é Thailana e essa é a 1° resenha entre  várias que virão aqui : No Mundo dos Leitores!Fiquei pensando qual livro resenhar no 1° post. Daí pensei: Nada mais justo que começar com um dos livros que estão entre os 10 mais vendidos.E olhe que ele permanece desde o lançamento entre os Top10, viu!?rsrsr....  
Sinopse:
Nicholas Sparks, autor número 1 de best-sellers, traz agora uma história inesquecível de um jovem que tem que tomar a decisão mais difícil de sua vida, em nome de seu grande amor. Querido John, dizia a carta que partiu um coração e transformou duas vidas para sempre. Quando John Tyree conhece Savannah Lynn Curtis, descobre estar pronto para recomeçar sua vida. Com um futuro sem grandes perspectivas, ele, um jovem rebelde, decide alistar-se no exército, após concluir o ensino médio. Durante sua licença, conhece a garota de seus sonhos, Savannah. A atração mútua cresce rapidamente e logo transforma-se em um tipo de amor que faz com que Savannah prometa esperá-lo concluir seus deveres militares. Porém ninguém previa o que estava para acontecer, os atentados de 11 de setembro mudariam suas vidas e do mundo todo. E assim como muitos homens e mulheres corajosos, John deveria escolher entre seu país e seu amor por Savannah. Agora, quando ele finalmente retorna para Carolina do Norte, ele descobre como o amor pode nos transformar de uma forma que jamais poderíamos imaginar.



Confesso que me emociono com os livros de Nicholas Sparks.Ele mais do que nunca sabe falar sobre o “amor”. Só ele para começar um livro já com a pergunta:O que significa amar verdadeiramente uma pessoa?De uma forma natural e REAL,ele trata do amor sem muita melosidade o que seria MUITO CHATO.
John foi criado pelo pai, um homem sem muitas conversas  e totalmente metódico.Mas, foi o personagem que mais me cativou e me levou a pensar nas diversas maneiras de amar.Afinal, todos nós amamos de um jeitinho diferente.Pena que o John não percebeu isso.E acabou se tornando um jovem rebelde.Com o passar do tempo decide se alistar no exército.Ao voltar para para sua cidade natal na Carolina do Norte, conhece a Savannah, quem seria o amor da sua vida.
Falando de Savannah, uma típica moçinha e certinha.Apesar desses adjetivos sem graça alguma.Ela teve uma grande importância no amadurecimento de John durante o livro.Uma personagem com  coragem e bastante forte.
O livro é bem simples de ler.Os diálogos são bem estruturados e a maioria dos personagens são bem explorados.Isso ajuda a não te deixar entediada ou sem estímulo para passar a página.
Falando da capa, eu até que gostei,mas acho que poderia ser melhor.Não é novidade p/ ninguém que existe o filme.Que aliás, fiquei muito brava  em assistir,achei que mudou muita coisa em relação ao livro.
Bem, o que eu mais gosto nos livros de  Nicholas Sparks é saber que encontrarei uma situação romântica,mas de uma certa forma  real.Onde nem tudo são flores e que nem sempre a estória acaba com um “FELIZES PARA SEMPRE”.